quarta-feira, 3 de junho de 2009

ACIMA DE TUDO O AMOR


Ainda que eu falasse línguas, as dos homens e dos anjos […] Ainda que eu tivesse o dom da profecia, o conhecimento de todos os mistérios e de toda a ciência; ainda que eu tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se eu não tivesse o amor, eu não seria nada.
Ainda que eu distribuísse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse o meu corpo às chamas, se não tivesse o amor, nada disso me adiantaria.
O amor é paciente, o amor é prestativo; não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho. Nada faz de inconveniente, não procura seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor jamais passará. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência também desaparecerá. Pois o nosso conhecimento é limitado; limitada é também a nossa profecia. […] Agora, portanto, permanecem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. A maior delas, porém, é o amor. (Bíblia Sagrada - 1 Coríntios 13, 1a.2-9.13)

Às vezes ficamos esperando que nossa felicidade dependa de outra pessoa. Cobramos dela um sentimento (amor?) que nem sabemos ao certo o que significa. Às vezes buscamos a perfeição, mas o outro(a) só quer que demostremos um pouco de defeitos. Tentamos muitas vezes ser o par ideal, aquele que escuta os problemas, que aconselha, que lembra da data do primeiro beijo… Mas nem sempre o outro(a) acha isso suficiente.
O ser humano é complicado. Para conquistar o amado(a) você se faz passar por alguém que não tem nada a ver com sua personalidade. Mas não faz isso por mal. Às vezes já se é bom, mas tenta-se mostrar para a pessoa amada que se pode ser melhor ainda. Não para exibir-se, mas para que ela saiba que você está disposto a fazer qualquer sacrifício para provar o seu amor por ela.

Eu queria que uma certa garota soubesse de tudo isso…