segunda-feira, 24 de agosto de 2009

DEZ VEZES BARRICHELLO. CEM VEZES BRASIL

Rubinho vence no GP da Europa e conquista a centésima vitória para o Brasil na F1

Aconteceu numa manhã de domingo. A bandeira quadriculada tremulava. O carro da equipe Brawn-Mercedes cruzou a linha de chegada em primeiro. O piloto, no coque pit, é só vibração. Os membros da equipe, nos boxes, comemoram. A torcida, nas arquibancadas, idem. Parece uma vitória qualquer numa corrida de Fórmula 1, a principal categoria do automobilismo mundial. Só parece.
A corrida era o Grande Prêmio (GP) da Europa, em Valencia - Espanha. E o piloto, o brasileiro Rubens Barrichello. A vitória quebrou um jejum pessoal de cinco anos e 81 GPs sem chegar ao lugar mais alto do pódio. Foi a décima vitória de Rubinho na F1. Agora ele está na vice-liderança do campeonato, com 54 pontos, logo atrás do inglês Jenson Button que é seu companheiro de equipe e tem 72 pontos.
Com a conquista do GP da Europa, Barrichello fez mais do que levar um banho de champanhe. Ele conseguiu a centésima vitória do Brasil na categoria e entrou para a história do automobilismo nacional - quem sabe mundial. E ainda deu um cala-boca na turma dos sabichões que acham que o piloto brasileiro - já com 37 anos de idade - deveria abandonar as pistas.
- Foi fantástico, um fim de semana que nunca vou esquecer.[…]Foi difícil, na corrida […] coisas passam pela sua cabeça. Você quer chegar lá por você mesmo, pelo seu país, sua família. Queria que este momento durasse para sempre - disse Rubinho na entrevista coletiva oficial após a corrida. Sábias palavras. Ele também disse que não via a hora de chegar no Brasil para escutar a musiquinha. Aquela… Tema da Vitória, que tanto escutamos nas manhãs de domingo nos tempos de Ayrton Senna. Bons tempos aqueles.
Boa sorte Rubens Barrichello, e que você continue enchendo nossas manhãs de domingo com a doce melodia da musiquinha.

(A foto que ilustra esse texto foi retirada do link globo.com)