quinta-feira, 16 de julho de 2009

COMO CALAR UMA ESTRANGEIRA ARROGANTE


Fomos colonizados por europeus e até hoje a população daquele continente vê a nós, brasileiros, como um povo ignorante, subdesenvolvido e sem cultura. O caso a seguir é uma história real e mostra que não somos tão alienados como muitos gringos pensam:

Era noite de carnaval num município do litoral norte potiguar, distante 125km de Natal. Na maior praia da cidade tinha sido montado o palco diante do qual o baile carnavalesco acontecia. Equipes com cinco policiais cada, foram dispostas em pontos estratégicos para garantirem aos foliões uma diversão segura.
Já passava da meia-noite. A areia da praia estava repleta de pessoas que brincavam, bebiam, se drogavam, se prostituiam, enfim, faziam coisas típicas de uma festa como o carnaval. As equipes de policiais, também chamadas de patrulhas, perceberam atitudes suspeitas de alguns turistas. Sem mais delongas, os PMs começaram a fazer vistorias em bolsas, sacolas e demais objetos que pudessem esconder drogas ou armas. Muios foliões, a contra-gosto, foram revistados.
Observando a ação dos policiais, e reclamando da atitude dos mesmos, estava um homemm de origem portuguesa. Agarrado com uma adolescente nativa e em visível estado de embriaguez, o cidadão de terras lusitanas começou a provocar os policiais. Estes, pacientemente, iniciaram uma conversa com o estrangeiro. Pediram que ele mostrasse a documentação e levantasse a camisa para ser revistado. O português não contou conversa, retirou a camisa e baixou o calção até a altura dos calcanhares, ficando completamente nu.
Os membros da patrulha se entreolharam e deram as boas vindas da PM-RN ao visitante lusitano enxerido. Em seguida, colocaram-no na viatura - tendo antes o cuidado de vestir-lhe a roupa - e se dirigiram para a delegacia local.
Chegando lá, um grupo de pessoas já aguardava na entrada da DP. Uns diziam que conheciam o prefeito e iriam expulsar os policiais da cidade, outros gritavam que aquilo era um absurdo e procurariam os Direitos Humanos. Tinha até uma senhora - a mãe do rapaz - dizendo com voz exaltada que o Brasil era um país de bárbaros, ignorantes, prostitutas e corruptos; que o flho dela era inocente, tinha sido agredido covardemente e que se estivessem em Portugal, um país civilizado, nada disso teria acontecido. Os PMs não deram ouvidos para aquela algazarra. Colocaram o português numa cela e chamaram o delegado.
Um policial que estava de plantão na delegacia - puto de raiva porque ainda não havia terminado um trabalho da faculdade - observava todo aquele movimento em silêncio. Procurava se concentrar na apostila que estava lendo. Não conseguiu. A mãe do lusitano entrou e foi esbravejar com ele.
A portuguesa continuou dizendo impropérios sobre os brasileiros, que éramos um povo sem cultura, alienados e subdesenvolvidos. O policial levantou da cadeira, bateu a própria mão com toda a força que pode na escrivaninha e disse:
- Escuta aqui dona, quem a senhora pensa que é para falar mau assim do meu país. Saiba que se somos uma nação subdesenvolvida e um povo ignorante é porque fomos colonizados pela porra de vocês, portugueses malditos. Aliás, se aqui a lei fosse cumprida como no seu civilizado Portugal, o viado do seu filho já teria sido extraditado por atentado ao pudor. E cala a boca que eu quero estudar!
Dito isso o policial sentou-se, pegou a apostila e continuou a ler. A mulher portuguesa se calou e saiu da delegacia.
O português enxerido foi solto em seguida, depois de assinar um termo de compromisso. O policial que tentava fazer o trabalho da faculdade não conseguiu e quase foi reprovado na disciplina. Já a portuguesa arrogante, continua no Brasil, mas a partir de agora talvez meça as palavras antes de falar mal do nosso país.

(A caricatura que ilustra o texto acima foi retirada do 3.bp.blogspot.com)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

CARTA A UM CIDADÃO

Mitchell Brown
Muito bem, senhor cidadão, eu creio que o senhor já me rotulou.
Acredito que me enquadro perfeitamente na categoria na qual o senhor me colocou. Eu sou estereotipado, padronizado, marcado, corporativista e, sempre, bitolado. Infelizmente, a recíproca é verdadeira. Eu não vou, porém, rotulá-lo.

Mas, desde que nascem, seus filhos ouvem que eu sou o bicho-papão, e depois o senhor fica chocado quando eles se identificam com meu inimigo tradicional, o criminoso. O senhor me acusa de contemporizar com os criminosos, até que eu apanhe um de seus filhos em alguma falta.

O senhor é capaz de gastar uma hora para almoçar e interrompe seu serviço para tomar café diversas vezes no dia, mas me considera um vagabundo se paro para tomar uma só xícara. O senhor se orgulha de seu refinamento, mas nem pisca quando interrompe minhas refeições com seus problemas.

O senhor fica bravo quando alguém o fecha no trânsito, mas quando o flagro fazendo a mesma coisa, eu o estou perseguindo. O senhor, que conhece todo o código de trânsito, quase nunca porta os documentos obrigatórios.

O senhor acha que é um abuso se me vê dirigindo em alta velocidade para atender uma ocorrência, mas sobe pelas paredes se eu demoro dez segundos para atender um chamado seu.

O senhor acha que é parte do meu trabalho se alguém me fere, mas diz que é truculência policial se devolvo uma agressão.
O senhor nem cogita em dizer a seu dentista como arrancar um dente ou a seu médico como extirpar seu apêndice, mas está sempre me ensinando como aplicar a lei.
O senhor quer que eu o livre dos que metem o nariz na sua vida, mas não quer que ninguém saiba disso.

O senhor brada que é preciso fazer alguma coisa para combater o crime, mas fica furioso se é envolvido no processo.

O senhor não vê utilidade na minha profissão, mas certamente ela se tornará valiosa se eu trocar um pneu furado do carro de sua esposa, ou conduzir seu menino no banco de trás do carro patrulha, ou talvez salve a vida de seu filho, ou trabalhe muitas horas além de meu turno procurando sua filha que desapareceu.

Assim, senhor cidadão, o senhor pode se indignar, proferir impropérios e se enfurecer pela maneira pela qual executo meu trabalho, dizendo toda a sorte de palavrões possível, mas nunca se esqueça de que a sua propriedade, a sua família e até a sua vida dependem de mim e de meus colegas.

Sim, senhor cidadão, eu sou um POLICIAL.


O autor desse texto é Mitchell Brown, patrulheiro da Polícia Estadual de Virgínia, EUA. Morreu em serviço dois meses depois de escrevê-lo.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

CONQUISTA SOBRE DUAS RODAS

Senado aprova projeto de lei regulamentando as profissões de motoboy, mototaxista e motofrete.



Em votação simbólica na noite da quarta-feira passada (08-07-09) o Senado Federal aprovou o projeto de lei apresentado há oito anos pelo então senador Mauro Miranda (PMDB-GO) regulamentando as profissões de motoboy, mototaxista e motofrete. A nova lei precisa, ainda, ser sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas já é motivo de comemoração entre os motociclistas, que veem na lei uma oportunidade de saírem da informalidade e exigirem direitos e garantias como todo trabalhador comum.

O relator da proposta foi o senador Expedito Júnior (PR-RO), segundo o qual existem no Brasil atualmente 2,5 milhões de motoboys e mototaxistas trabalhando na informalidade por falta de regulamentação específica para essas profissões.

Segundo o projeto, a definição de regras específicas para o transporte sobre duas rodas em cada município ficará a cargo das câmaras de vereadores. Estas decidirão, ainda, se poderá haver ou não mototáxi para transporte de pessoas. Em Natal-RN, por exemplo, não existem mototaxistas. Já em Macaíba, cidade distante apenas 30km da capital potiguar, a profissão existe há tempos e é a principal fonte de renda para muitas famílias.

De acordo com a nova lei, para exerceram a profissão, o motoboy, o mototaxista ou o motovigia precisarão:
- ter 21 anos completos;
- dois anos como condutor ou condutora de motocicleta;
- habilitação em curso especializado, a ser regulamentado pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito).
Todos os profissionais deverão trabalhar vestindo colete dotado de refletores.

Do motovigia, especificamente, serão exigidos documentos usuais como carteira de identidade, atestado de residência e certidões negativas de varas criminais. Os profissionais em serviço de comunidade de rua, como também são chamados tecnicamente, devem ter alguns cuidados como: observar o movimento de chegada e saída dos moradores em suas respectivas residências; acompanhar o fechamento dos portões do imóvel; comunicar aos moradores, ou à polícia, sobre qualquer anormalidade nos veículos estacionados na rua; informar aos moradores, ou à polícia, sobre a presença de pessoas estranhas e com atitudes suspeitas na rua.

Os veículos conduzidos pelos motoboys devem ter identificação especial e contar com equipamentos de segurança como os mata-cachorros e as antenas corta-pipas. Tais equipamentos devem ser inspecionados semestralmente pelo Contran.

Para o serviço de motofrete será necessária autorização (emitida por órgão de trânsito) para a circulação de motocicletas e motonetas destinadas ao transporte de mercadorias. Pela proposta serão proibidos o transporte de combustíveis, de produtos inflamáveis ou tóxicos e de galões nos veículos de carga. Excetuam-se da norma o transporte do gás de cozinha e de galões de água mineral, desde que com o auxílio de side-car (aquele carrinho acoplado à moto).

Como condutor de motocicleta espero que a lei seja cumprida, que não caia no esquecimento como tantas outras. Mas para que isso aconteça, todos, motoristas, pedestres, motociclistas e poder público devem fazer sua parte.

RECADOS DE UM AMIGO


Recebi recentemente o e-mail de um amigo que trazia uma mensagem de fé e otimismo. Não é de minha autoria - tampouco conheço o autor, mas como acho que bons conselhos devem ser compartilhados, leia e medite os RECADOS DE UM AMIGO:

1 - 'Deus não escolhe pessoas capacitadas, Ele capacita os escolhidos.'
2 - 'Um com Deus é maioria.'
3 - 'Devemos orar sempre, não até Deus nos ouvir, mas até que possamos ouvir a Deus.'
4- 'Nada está fora do alcance da oração, exceto o que está fora da vontade de Deus.'
5- 'Aquilo que Deus dá, Deus também tira.'
6 - 'Moisés gastou: 40 anos pensando que era alguém; 40 anos aprendendo que não era ninguém e 40 anos descobrindo o que Deus pode fazer com um NINGUÉM.'
7 - 'A fé ri das impossibilidades.'
8 - 'Não confunda a vontade de DEUS, com a permissão de DEUS.
9 - 'Não diga a DEUS que você tem um grande problema. Mas diga ao problema que você tem um grande DEUS.'
10 - 'O pouco com Deus é muito. O muito sem Deus é nada.'
11 - 'Não ter tempo para Deus, é viver perdendo tempo.'

MEDITAÇÃO
Sim, eu amo Deus. Ele é a fonte de minha existência, é meu Salvador... Ele me sustenta a cada dia. Sem Ele eu não sou nada, mas com Ele eu posso todas as coisas através de Jesus Cristo, que me fortalece.
(Bíblia Sagrada - Filipenses 4:13)

(A foto que ilustra esse texto foi retirado do site Jornal Pequeno.)

sábado, 11 de julho de 2009

MAIS UM QUE NÃO VOLTOU PARA CASA

Morreu hoje à tarde o cabo da polícia militar do Rio de Janeiro alvejado por dois tiros durante tentativa de assalto.

O cabo do BOPE Ênio Roberto Santiago trabalhava na segurança do tenente-coronel Alberto Pinheiro Neto (comandante do Bope até ontem) e foi alvejado na manhã desse sábado (11-07-09) por dois disparos: um no ombro e outro na nuca.

Foi atingido enquanto tentava ajudar um casal que estava tendo o veículo roubado enquanto esperavam no sinal fechado. Os disparos foram feitos por alguém que dava cobertura à ação. O militar foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar mas não resistiu aos ferimentos e faleceu horas depois.

A polícia enviou várias viaturas para o local e os caveirões, veículos blindados do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais), subiram o morro. Essa é mais um cena comum de violência na nossa sociedade, violência essa que não poupa ninguém - nem a polícia.

O que me deixa revoltado é que nenhuma ONG ou qualquer outra droga de instituição que defenda a porra dos direitos humanos se pronunciou em protesto à morte do PM morto em serviço.
Fazendo jus ao juramento feito quando da investidura do cargo, o cabo Santiago defendeu com a própria vida a sociedade hipócrita que ele prometeu proteger.

O engraçado é que a mesma imprensa que não se deu nem ao trabalho de divulgar relatos dos familiares do PM morto, fez questão de mostrar os protestos dos moradores da favela ocupada por policiais. Os moradores, sim, tiveram todo o direito de botar a cara na TV e reclamar contra os policiais que invadiram a comunidade. Até incendiaram um ônibus em protesto contra a morte de um traficante durante a operação envolvendo policiais do 6.º Batalhão (Tijuca) e do BOPE. Esses continuam vasculhando o Morro do Turano e o Morro da Chacrinha, ambos no Rio de Janeiro, tentando localizar os assassinos do cabo PM. Mas sabemos que quando os acusados forem capturados - se forem - terão direito a um julgamento cuja pena não poderá exceder aos 30 anos de reclusão. E se tiverem bom comportamento ou se forem réus primários, em pouco tempo estarão nas ruas, matando outros pais de família.
E a imprensa, ah a imprensa... Continua divulgando que na troca de tiros com bandidos, a polícia alvejou moradores. Engraçado, só as armas da polícia acertam gente inocente. As armas dos traficantes não acertam ninguém, eles atiram flores, talvez.
Já o cabo Santiago está morto. Foi mais um policial que tombou na eterna luta contra o crime nas cidades brasileiras. Ele não voltou para casa. Sua família vai sofrer com sua ausência. Perdeu-se um pai, um marido, um filho, um irmão, um amigo, um agente de segurança pública.
Mas esse caso, como tantos outros, cairá no esquecimento. Não haverá passeatas ou manifestações de ONGs ou outra entidade que se diga defensora dos direitos huamanos. Ah, quase esqueci, POLICIAIS NÃO TÊM DIREITOS...

A foto que ilustra esse texto é de um homem ferido em operação do BOPE no Morro do Turano. Foi tirada do site ÚLTIMO SEGUNDO.

PM DE SERGIPE CONSEGUE AUMENTO - E QUE AUMENTO!

PM’s de Sergipe usam a lei para pressionar Governo por melhores salários

Os Policiais Militares de Sergipe, depois da mobilização denominada “Tolerância Zero” realizada já há alguns dias, conseguiram um ganho salarial que os colocam entre os mais bem pagos (nas suas respectivas categorias) da Região Nordeste. Os salários de todos os postos e graduações da Polícia Militar de Sergipe ficarão assim:

Coronel – R$ 9.539,71 (soldo) mais R$ 2861,91 (periculosidiade): R$ 12.401,62 Ten. Coronel – R$ 8.295,40 (soldo) mais R$ 2488,62 (periculosidade): R$ 10.784,02
Major – R$ 7.604,12 (soldo) mais R$ 2281,23 (periculosidade): R$ 9.885,35

Capitão – R$ 6.615,15 (soldo) mais R$ 1984,55 (periculosidade): R$ 8.599,70
1º Tenente – R$ 5.512,63 (soldo) mais R$ 1653,78 (periculosidade): R$ 7.166,41
2º Tenente – R$ 4.410,10 (soldo) mais R$ 1323,03 (periculosidade): R$ 5.733,13
Aspirante – R$ 4.240,48 (soldo) mais R$ 1272,15 (periculosidade): R$ 5.512,63

Subtenente – R$ 3.687,37 (soldo) mais R$ 1106,22 (periculosidade): R$ 4.793,59
1º Sargento – R$ 3.511,79 (soldo) mais R$ 1054,53 (periculosidade): R$ 4.566,32
2º Sargento – R$ 3.080,51 (soldo) mais R$ 924,16 (periculosidade): R$ 4.004,67
3º Sargento – R$ 2.702,21 (soldo) mais R$ 810,66 (periculosidade): R$ 3.512,87
Cabo – R$ 2.456,55 (soldo) mais R$ 736,97 (periculosidade): R$ 3.193,52

Soldado 1ª Classe - R$ 2.317,50 (soldo) mais R$ 695,25 (periculosidade): R$ 3.012,75
Soldado engajado – R$ 2.250,00 (soldo) mais R$ 675,00(periculosidade): R$ 2.925,00
Soldado não engajado – R$ 1.875,00 (soldo) mais R$ 562,50(periculosidade): R$2.437,50

O curioso da mobilização é que os policiais não fizeram uma greve nos padrões como conhecemos. Eles simplesmente resolveram seguir a lei à risca e não continuaram trabalhando de forma errada: policiais não habilitados ou que estavam com a Carteira nacional de Habilitação (CNH) vencida, se recusaram a dirigir as viaturas; os militares que não possuíam armas da Corporação nem coletes balísticos dentro da validade também se recusaram ir às ruas trabalhar nessas condições; e os policiais militares que estavam trabalhando em delegacias e presídios deixaram de fazê-lo, pela flagrante ilegalidade que há através do desvio da função.
Os policiais sergipanos, apesar dos ganhos, elegeram como reivindicações básicas e inegociáveis: equiparação de Salário com a Polícia Civil; definição da Carga Horária dos policiais e; implantação da exigência de Nível Superior para as praças.
Os colegas sergipanos, antes de tudo, estão de parabéns pela forma como conduziram as negociações. O Governo e a sociedade sempre exigem dos policiais militares um serviço de qualidade, entretanto, não reconhecem as más condições de trabalho a que somos submetidos.
Espero que o belo exemplo dos PM’s de Sergipe seja seguido por outros praças por esse Brasil a fora. E que nossos governantes imitem o governador Marcelo Déda (PT) e olhem com mais atenção àqueles que arriscam a própria vida para levar um mínimo de segurança para a sociedade.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

QUEM PRECISA DA POLÍCIA?

Parece que os moradores da comunidade Heliópolis - São Paulo, capital - não precisam da polícia. Na noite do dia 08-07-09 (quarta-feira) dois policiais militares, cada um pilotando uma moto da PM-SP, perseguiam dois suspeitos, também de motocicletas, e entraram na favela de Heliópolis. Houve troca de tiros e uma das vítimas foi uma menina de oito anos de idade, moradora da favela, que brincava na calçada de casa. Os PMs conseguiram prender os suspeitos, sendo que um destes estava de posse de uma arma de fogo. Questão resolvida, certo? Errado. Os moradores cercaram os dois policiais e, acusando-os de terem - apenas estes - efetuado os disparos, tomaram as chaves das motos dos dois policiais e liberaram os suspeitos. Não se dando por satisfeitos, os moradores ainda danificaram as motos da polícia e agrediram os dois praças. A situação só não ficou pior para os dois combatentes porque chegou reforço de outras viaturas, que os escoltaram em segurança para fora da comunidade.

O caso serve para ilustrar a total falta de apoio que as polícias no Brasil têm da sociedade civil. Mesmo sem terem provas concretas, afinal, um dos suspeitos também estava armado, os moradores de Heliópolis saíram acusando a polícia militar como se esta fosse o bandido da história. A população também se auto-investiu o direito de querer fazer justiça com as próprias mãos - contra os PMs, porque os bandidos foram soltos pelos moradores.
Estamos chegando a um ponto tal de descredibilidade dos órgãos de segurança pública que as pessoas acham que todo policial é bandido. Esquecemo-nos que os profissionais da segurança também são pais, mães, têm suas famílias e sofrem com as carências de um sistema que não os oferece as mínimas condições de trabalho.
É muito fácil botar a cara na TV, acusar a polícia de agressora e imputar-lhe a culpa por toda a violência que nos deparamos no dia-a-dia. Agora, eu gostaria de saber se essas pessoas que denigrem a imagem da corporação e defendem bandido teriam coragem de vestir uma farda e arriscar a vida por um salário de fome.
Sempre vemos grupos de direitos humanos (nada contra eles) defenderem a liberação de presos em cadeias superlotadas. Só não vejo esses mesmos grupos de direitos humanos defenderem os agentes militares sequelados no cumprimento do dever, ou os órfãos e viúvas dos policiais mortos em serviço.
A sociedade precisa deixar de ter aquela visão romântica do crime. Bandido não é herói. Ele é inimigo da democracia, do Estado de Direito e do trabalhador honesto que sofre para ganhar a vida.
A ditadura já acabou. Os militares trabalham hoje para que as pessoas tenham a oportunidade de gozarem seus direitos, liberdades e garantias fundamentais assegurados pela Constituição Federal . Apesar de ser consciente da existência de muitos colegas de farda que envergonham a classe, fico triste quando vejo a população se voltar contra a polícia.
Em todos os locais de trabalho existe o bom e o mau funcionário. Infelizmente a sociedade não pensa assim. Se policial Joãozinho é pego fazendo extorsão, no jornal sai que A POLÍCIA está extorquindo.
Para encerrar, quero dizer que a polícia tem suas carências e dificuldades. Como todo trabalhador, estamos suscetíveis a erros. Mas se você ainda não se deu conta da importância de nós, policiais, tente se imaginar num mundo sem polícia. Quem arriscaria a própria vida para te defender enquanto estás a dormir?

terça-feira, 7 de julho de 2009

LULA, NOBEL DA PAZ?


Na sede da UNESCO, em Paris - França, o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu esta terça-feira (07-07-09) o prêmio Félix Houphouët-Boigny pela Busca da Paz 2008.

O prêmio foi criado em 1989. Tomou esse nome para homenagear o sindicalista e líder da independência da Costa do Marfim, Félix Houphouët-Boigny (1905-1993). É entregue anualmente pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) e permite honrar pessoas, instituições ou organizações que contribuam, de forma relevante, para a promoção, busca, salvaguarda ou manuntenção da paz, com respeito pela Carta das Nações Unidas e pelo Ato Constitutivo da UNESCO. É tido como o mais importante prêmio da paz - depois do Nobel - e Lula é o primeiro latino-americano a recebê-lo.

O ex- Presidente português, Mário Soares, declarou que o júri decidiu entregar o prêmio a Lula como reconhecimento da atuação do presidente brasileiro a favor da busca da paz, do diálogo, da democracia e da justiça social no mundo. Soares ressaltou também o empenho e a contribuição de Lula para a erradicação da pobreza e a proteção dos direitos das minorias.

Nosso presidente também foi qualificado pelo secretário executivo do prêmio como um homem excepcional. O secretário também lembrou que Lula é hoje o pilar de estabilidade da América Latina e que antes dele nenhum outro presidente brasileiro esteve tão ligado ao continente africano. Para o primeiro-ministro português, José Sócrates, nosso presidente é o líder politico mais popular da face da terra, além de ser uma das figuras mais admiradas e respeitadas. Já o presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, lembrou que foi Lula que estabeleceu no Brasil o dia da Consciência Negra.

O presidente brasileiro em seu pronunciamento puxou a sardinha para o seu governo ao ressaltar que o índice da desigualdade no Brasil é o mais baixo das últimas três décadas. E utilizando-se de um discurso em tom amigável, lembrou a onda de democracia que se registou na África do Sul e está cada vez mais presente na América Latina; saudou o bom desenrolar das eleições na Guiné-Bissau e defendeu também a criação de um Estado palestino com uma economia viável.

Outras personalidades como Nelson Mandela (África do Sul), Shimon Peres (Israel), Jimmy Carter (EUA), Yitzhak Rabin (Israel), Yasser Arafat (Palestina), Martti Ahtisaari (Finlândia) já foram distinguidos com o mesmo prêmio que inclui um cheque de 122 mil euros, uma medalha em ouro e um diploma assinado pelo director-geral da UNESCO.

A importância do prêmio Félix Houphouët-Boigny está no fato de grande parte dos que o recebem ganharem também o Nobel da Paz. Na lista acima, por exemplo, todos ganharam ambos os prêmios.
A importância disso para o Brasil é tremenda pois, tomando emprestadas as palavras do presidente Lula, nunca antes na história deste país alguém ganhou um prêmio Nobel da Paz. Principalmente um nordestino, pobre e semi-analfabeto.

Fiquemos, pois, na torcida. O Brasil é o único país a conquistar cinco copas do mundo de futebol. Tá na hora de ganhar um Nobel da Paz.

SABER DISCERNIR OS MOMENTOS

Debaixo do céu há momento para tudo,
e tempo certo para cada coisa:
Tempo para nascer e tempo para morrer.
Tempo para plantar e tempo para arrancar a planta.
Tempo para matar e tempo para curar.
Tempo para destruir e tempo para construir.
Tempo para chorar e tempo para rir.
Tempo para gemer e tempo para bailar.
Tempo para atirar pedras e tempo para recolher pedras.
Tempo para abraçar e tempo para se separar.
Tempo para procurar e tempo para perder.
Tempo para guardar e tempo para jogar fora.
Tempo para rasgar e tempo para costurar.
Tempo para calar e tempo para falar.
Tempo para amar e tempo para odiar.
Tempo para a guerra e tempo para a paz.
(Bíblia Sagrada, Eclesiastes 3,1-9)


Parece que nosso tempo está cada vez mais exíguo. O trabalho, os estudos ou o egoísmo tomam todo o nosso tempo. Não aproveitamos mais aqueles instantes de alegria com as pessoas que realmente se importam conosco. Muitas vezes trocamos um fim de semana de descanso com a família por uma jornada extra de trabalho. E a TV e o computador... Diversas vezes deixamos de conversar com nossos filhos, elogiar nossas esposas, fazer carinho no marido ou escutar os amigos só para ficarmos grudados na telinha. Sempre usamos como desculpa o tempo, ou melhor, a falta dele.
Às vezes, por pura preguiça, deixamos de estar com quem amamos só para não sacrificar alguns minutos a mais no sono. Sim, reclamamos do tempo. Então o tempo vem, leva aquilo ou aqueles que amamos, e só aí percebemos que daríamos tudo no mundo para voltarmos àqueles bons e velhos momentos.
Mas o tempo é impiedoso. Ele passa e não volta mais. Não adianta lutar com ele. Todos sofremos seus efeitos.
O que podemos então fazer para tentar amenizar os efeitos do tempo em nossas vidas? Essa pergunta cabe a cada um de nõs respondê-la. Só deixo uma dica, por experiência própria, não demore muito para por em prática o que estás pensando fazer. Pode ser tarde demais...

sábado, 4 de julho de 2009

PRESENTE DE GREGO

Os Estados Unidos celebram hoje o seu dia da independência. Em 4 de julho de 1776 as Treze Colônias britânicas na América do Norte fizeram a Declaração de Independência e rejeitaram a autoridade britânica. Nascia, assim, o que mais tarde se chamaria de Estados Unidos da América.
Em várias cidades como New York, Washington e Atlanta foram realizados os famosos desfiles do Dia da Independência, com bandas de música, carros alegóricos, enfim, uma festa tipicamente norte-americana.
Entretanto um acontecimento do outro lado do mundo ofuscou um pouco o brilho dessa festa e deixou os habitantes da terra do tio Sam um tanto quanto preocupados: os testes com mísseis balísticos realizados pela Coréia do Norte.
Hoje foram realizados sete disparos com mísseis de alcance entre 300km e 500 km. Somados aos testes de ontem (03-07-09), os norte-coreanos já lançaram onze mísseis. Tais lançamentos estão sendo considerados por especialistas como uma afronta à ONU e ao Tratado de Não Proliferação Nuclear, cujo signatário mais importante é, advinhem... os Estados Unidos.
Odeio admitir isso, mas neste caso, os norte-americanos tem motivos de sobra para se preocuparem. O governo do ditador Kim Jong Il que governa a Coréia do Norte pode, com esses testes, estar acendendo o estopim para um conflito armado num futuro não muito distante. E se isso acontecer, caros leitores, talvez a humanidade entre numa guerra nuclear.
Sendo deflagrada uma guerra nuclear com certeza os Estados Unidos não comemorarão mais um 4 de julho - nem nós um 7 de setembro.

PERGUNTAR OFENDE?

Repórter do CQC, Danilo Gentili, é agredido por segurança do Sarney

“Com licença senhor presidente. Com a sua saída vai mudar alguma coisa? Ou os escândalos vão continuar?” Foram essas as perguntas que o repórter Danilo Gentili fez ao presidente do Senado Federal, senador José Sarney (PMDB - AP), e que despertaram a fúria de um dos seguranças (capangas) do parlamentar.
Era uma manhã de quarta-feira (01-07-09) e dezenas de jornalistas disputavam cada centímetro de espaço na entrada principal do Congresso, também conhecida como Chapelaria. Os jornalistas estavam ali para escutarem de José Sarney esclarecimentos a respeito da denúncia de que um neto do senador estaria intermediando empréstimos consignados entre instituições bancárias e servidores da Casa. Quando o senador chegou, os repórteres foram ao seu encontro. Danilo Gentili fez as perguntas descritas acima e subitamente foi agarrado e empurrado por um segurança de Sarney. O repórter, insistente, tentou se aproximar mais uma vez do presidente do senado. Foi novamente contido pelo segurança, que o derrubou. A cena de covardia foi presenciada por dezenas de outros profissionais da imprensa que estavam ali exercendo o direito - resguardado pela Constituição Federal de 1988 - da liberdade de expressão. O episódio serviu, dentre outras coisas, para ilustrar o quanto nossos parlamentares se importam conosco.
Danilo Gentili é um dos repórteres do programa CQC (Custe o Que Custar) que é exibido às segundas-feiras por volta das 22h na emissora Band. José Sarney é presidente do Senado Federal pela terceira vez e já foi presidente do Brasil. É dono de uma carreira política vez por outra abalada por denúncias de corrupção - sempre arquivadas.
A direção da Polícia Legislativa, apesar das imagens de diversos órgãos de imprensa, disse que não houve agressão. O répórter teria se atirado ao solo e o segurança apenas passava por perto no momento.
Como cidadão e como futuro jornalista confesso que simplesmente me faltam palavras para descrever meu profundo sentimento de repúdio, nojo e indignação com nossos representantes. Meu Deus! A que ponto chegamos. Agredir um profissional símbolo da liberdade de expressão, que é um dos pilares da democracia… A ação do jagunço, quer dizer, segurança, foi o equivalente a rasgar a própria Constituição. Aonde vamos parar? Fico pensando: se agridem um jornalista em frente às câmeras de TV, o que farão com os demais cidadãos que vão até a Casa protestar?
O caso, como as denúncias de corrupção feitas contra os parlamentares, logo-logo cairá no esquecimento. Fica no ar aquela sensação de impunidade, que acaba com nossas esperanças de construirmos uma nação mais digna e igualitária para todos.
Para o colega Gentili desejo muita força, coragem e determinação para continuar firme e forte na nobre missão de denunciar os desmandos das nossas autoridades (in)competentes. Afinal, ser jornalista num país que ainda sofre com resquícios do coronelismo não é nada fácil. Esses, alias, não foram dias de sorte para os profissionais da comunicação. Primeiro desaprovam a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão, agora nos agridem como a um cachorro sem dono. Acho que escolhi a profissão errada. Ou alguém escolheu os políticos errados.

Veja na íntegra o vídeo com a agressão de Gentili e tire suas conclusões.
A música que melhor retrata esse caso é Vossa Excelência, dos Titãs. A banda de rock conseguiu, de forma brilhante, retratar a indignação da sociedade.

(Os links acima relacionados são melhor visualizados através do navegador INTERNET EXPLORER.)

quinta-feira, 2 de julho de 2009

MISS MUNDO BRASIL 2009


Daliane Menezes é a representante potiguar da edição 2009 do Miss Mundo Brasil. A escolha será feita através de votação pela internet. Daliane é minha colega de sala no curso de comunicação social - jornalismo, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Sou testemunha da correria que têm sido, ultimamente, a vida dessa garota. Para conciliar estudos e agenda de desfiles ela tem feito um esforço tremendo. Sempre simpática e sorridente, tem levado na raça e com muito jogo-de-cintura o curso de jornalismo.

Duas coisas me admiram nela: a força de vontade e a humildade. Força de vontade porque, mesmo com as vicissitudes, não desistiu do curso nem trancou qualquer disciplina. Humildade porque não deixou o sucesso subir à cabeça, sendo amiga de todos da sala.

Não estou ganhando nada com isso, mas estou divulgando o endereço virtual do concurso para aqueles que quiserem votar em Daliane. A disputa é acirrada, mas Dali está acostumada a desafios. Os potiguares já têm uma Miss Brasil, Natal foi escolhida como uma das sedes brasileiras para a copa de 2014, só falta o RN ter uma Miss Mundo Brasil. Conto com vocês que visitam meu blog. Votem.

Boa sorte, querida Daliane.

Vote no link: Miss Mundo Brasil 2009