sábado, 30 de maio de 2009

MÃE É MÃE


Minha mãe faleceu no dia 06 de outubro de 2008. Chamava-se Maria Paulino Pereira e tinha 69 anos de idade. Se estivesse viva, hoje - 30 de maio de 2009 - completaria 70 anos de idade. Essa é a primeira vez que escrevo algo sobre ela - excetuando-se as homenagens que fiz para a missa de sétimo dia.

Minha mãe foi sempre alegre e cheia de vida, não me lembro de tê-la visto triste. Com raiva, séria, preocupada, sorridente ou reclamando de algo, muitas vezes, mas triste, nunca a vi. Ela sempre dizia que mãe é mãe, e eu, na minha ignorância de filho caçula, jamais entendi direito o que aquelas palavras simples queriam dizer.

Já fui ao Ceará algumas vezes depois do fatídico 06 de outubro. Visitei meu pai e revi o restante da família. Na casa onde cresci tudo estava mudado: os móveis pareciam fora do lugar; as plantas do jardim e do pomar apresentavam-se mal-tratadas; as galinhas aparentavam sentir a falta daquela que por anos e anos serviu-lhes o milho religiosamente no horário certo; o quintal, o terreiro e o oitão precisavam de uma faxina minuciosa.

Procurei um copo para beber água e, não encontrando, quase perguntei por impulso: mãe, cadê os copos?, mas lembrei que a dona da casa não estava. Mais tarde, quis uma toalha limpa para me enxugar após o banho. Revirei o guarda-roupa, a estante e a cômoda. Nada.

Perguntei a uma de minhas irmãs que lá estavam onde eu acharia toalhas limpas. Esta respondeu-me com ar triste que quem sabia onde estavam todas as toalhas, lençóis, redes, travesseiros, era nossa mãe.

Certa vez, lá pelas dez e meia da noite senti a barriga roncando. Tinha esquecido de jantar. Até nisso a dona Maria se preocupava, sempre me indagando se eu estava com fome ou se já tinha comido.

Esses fatos todos aconteceram entre os meses de outubro de 2008 e fevereiro de 2009. Estamos no finalzinho de maio e há três meses não vou ao Ceará.

Longe de casa, da família e dos amigos de infância começo a compreender o que minha mãe queria dizer com aquelas palavras.

Mãe não é apenas aquela que te traz ao mundo, mas quem te dá amor, carinho, proteção e segurança; é aquela que cuida da casa e da família de um jeito todo especial que ninguém mais - mesmo se esforçando muito - consegue imitar; mãe sempre pergunta se você já se alimentou, mesmo que a refeição tenha acabado de ser consumida; sempre sabe do que o filho precisa, antes mesmo que ele peça; mãe é aquela que te recomenda para não chegares tarde em casa, mas só dorme sossegada depois que você regressa; mãe é aquela que conhece detalhadamente cada filho, o que ele gosta, o que sente, quando precisa de atenção, a comida preferida; mãe é a única que reza terço, faz novena, manda celebrar missa e solta fogos comemorando a aprovação do filho no vestibular; mãe torce, se emociona, briga pela família, mas também repreende quando necessário.

Mãe é isso e muito mais. Na minha ignorância de filho mais novo talvez nunca chegue a entender completamente o que a sábia frase da dona Maria Paulino queria dizer. Talvez nem ela mesma conseguisse definir com palavras o que é ser mãe. Mas através das atitudes do dia-a-dia para com os doze filhos, marido, netos, bisneto, primos, irmãos, sobrinhos, amigos, compadres, comadres e afilhados, mostrou na prática o que é, verdadeiramente, ser mãe.

terça-feira, 19 de maio de 2009

HISTÓRIA DO JOÃOZINHO


No meu tempo de escola, lá em Aracoiaba (interior do Ceará), meus colegas costumavam contar piadas e anedotas na hora do recreio - era nosso passatempo predileto, já que não havia quadra esportiva. Entre os muitos causos que escutei o que mais me chamou a atenção foi este:

A professora chega na sala de aula e saúda os alunos:
“Bom dia crianças”.
“Bom diaêêêêê”, responde a criançada.
A mestra acha aquilo estranho, mesmo assim inicia a chamada.
No dia seguinte... “Bom dia sala”.
“Bom diaêêêêê”, respondem os alunos, e ela, como de praxe, faz a chamada.
No outro dia: “Bom dia meus amores...”
“Bom diaaaaaaa”, responde a turma em coro.
A professora estranha a resposta:
“Ué, cadê o bom diaêêêê?”, mas faz a chamada:
“Paulinho?”
“Presente”.
"Mariazinha?”
“Presente”.
“Joãozinho?”
Silêncio.
“Joãozinho?” “Joãozinho!”
“Não veio, tá doente”, responde um aluno.
A professora então reflete:
“Todos os dias eu escuto bom diaêêê, mas hoje como o Joãozinho não veio, só escutei bom dia, por que será?”
Então combina com a turma para pregar uma peça no garoto:
“Crianças vamos fazer uma brincadeira com o Joãozinho. Amanhã quando eu chegar e der o bom dia, ninguém responde. Vamos escutar a resposta do João”.
No outro dia, a professora chega e cumprimenta os alunos:
“Bom dia crianças”.
Ninguém responde, mas o danado do Joãozinho grita em alto e bom tom:
“Vá se f...êêêê!”

Lembro dessa piada, às avessas, sempre que assisto aos jogos da seleção principal de futebol masculino. Na hora em que é executado o hino nacional: a torcida, nas arquibancadas, canta; os torcedores, em casa, cantam; a comissão técnica, à beira do gramado, canta; e os jogadores, no gramado, mexem os lábios sem pronunciarem som algum. Já pensou!

Logo eles, que deveriam ter na ponta da língua os versos do hino nacional, são os primeiros a dar o mau exemplo. Você pode até achar meu espanto um exagero, afinal, o jogadores tem que mostrar serviço dentro das quatro linhas, e não saber cantar.

Beleza. Mas com o hino nacional é diferente… Este é ensinado nas primeira séries do ensino público - pelo menos era assim lá em Aracoiaba - e é dever de todo brasileiro saber cantar ao menos o refrão.

Sim, mas, e se o jogador não frequentou a escola… Engraçado, quando eles vão jogar na Europa aprendem rapidinho o idioma do país onde jogam.

Não tenho competência para julgar ninguém, mas qual será a confiança que um time passará para seus torcedores, se não sabe sequer cantar o hino do país que está representando?

A copa do mundo está se aproximando, será que o Dunga vai lembrar disso na hora da convocação? Ou presenciaremos, mais uma vez, onze Joãozinhos em campo?

quinta-feira, 14 de maio de 2009

SOBRE O AMOR

O amor é o sentimento usado para explicar o estado emocional de uma pessoa quando está gostando de outra. Pronto. Falariam assim aqueles que nunca amaram - ou que já sofreram com desilusões amorosas - mas para quem já experimentou dessa maravilhosa sensação, o amor representa muito mais…

O amor está em toda parte, basta se deixar tocar por ele. Está nas nuvens brancas que refletem os primeiros raios de sol. Encontra-se nas flores que desabrocham anunciando mais um dia.


Localiza-se na água, que sacia, lava, destrói, acalma; ou no fogo, que esquenta, consome, renova, alimenta. No voo dos pássaros, que brigam contra o vento; ou no nadar dos peixes, lutando contra a correnteza.


Está no brilho da lua e das estrelas, no brilho dos olhos dos amantes, nas ondas do mar, no cume das montanhas, nas areias escaldantes do deserto, nas florestas, em mim, em ti.


Pode ser sentido: na brisa refrescante que esbarra em nosso rosto e traz consigo o doce cheiro do orvalho da manhã; na fumaça sufocante das nossas cidades poluidas; no hálito da pessoa amada; no aroma saboroso da comida da mamãe; no cheiro de um carro novo; na roupa de uma criança depois do seu primero dia de aula; nos uniformes suados dos operários após mais um dia de expediente.


Pode ser encontrado também em gestos simples como um sorriso, um piscar de olhos, um assobio, um aperto de mãos, um abraço, um beijo, um orgasmo, uma lágrima.


Ele acalma. Preocupa. Conforta. Agita. Alegra. Entristece. Faz rir. Faz chorar. Traz felicidade. Traz desespero. É paciente, mas às vezes não espera. É egoísta, mas também se doa. É divino, mas às vezes peca. Tudo perdoa, mas nunca esquece uma traição. Umas vezes te enriquece; noutras, te deixa na miséria. Aconselha, e também dá bronca.


Muitos já tentaram descrevê-lo. Alguns disseram que já o vivenciaram. Outros, contudo, afirmam veementemente ser o amor fruto da loucura, uma fantasia criada para enganar os tolos.
Então, o que é o amor? Um sentimento? Uma alucinação? Eu nem sei direito o que é o amor. Ele é algo muito complexo. Foge à minha compreensão. Não sou capaz sequer de explicá-lo, tampouco entendê-lo. Eu apenas, e tão somente, amo…



(A imagem acima foi copiada do link Paróquia Universitária São João Evangelista.)

quinta-feira, 7 de maio de 2009

HIPOCRISIA CATÓLICA

No início deste ano um fato chocou a opinião pública brasileira: a gravidez de uma menina de nove anos no interior de Pernambuco. Ao acontecido, seguiu-se uma atitude ainda mais irracional, que também chocou a muitos: a Igreja Católica excomungou os médicos que fizeram o aborto na garota.

Num comunicado à imprensa a respeito do caso, Gianfranco Grieco, chefe do Conselho do Vaticano para a Família, disse: "A igreja não pode nunca trair sua posição, que é a de defender a vida, da concepção até seu término natural, mesmo diante de um drama humano tão forte, como o da violência contra uma menina".

Fiquei perplexo. O Vaticano condenou aqueles que salvaram a vida da criança e nada disse a respeito do estuprador. Os médicos, mocinhos na história, foram criticados pela igreja porque se recusaram a levar adiante uma prenhez gerada de um ato criminoso.

Não estou fazendo apologia ao aborto, mas analisando o caso pregunto-me até que ponto a Igreja Católica - uma instituição secular - ainda se deixa guiar por regras da época medieval. Para se ter uma ideia: o cânon 1398 prescreve a excomunhão automática em caso de abortamento. Ou seja, fazer aborto não pode. Violentar criancinhas, pode.

Indago-me com que autoridade a igreja se investe para julgar tais casos. Logo ela que é conhecidíssima por escândalos sexuais envolvendo seus clérigos; logo ela que sempre fez vista grossa aos casos de pedofilia envolvendo padres…

Aliás, o que acontece com os vigários que molestam meninos nas casas paroquiais ou nos cantos das sacristias por esse mundo afora? São excomungados? Perdem a batina? Não, apenas são transferidos de paróquia. Talvez seja porque a política do Vaticano seja a de não excomungar estupradores.

Mas a Igreja Católica não é em todo culpada por ser tão arcaica e hipócrita. A culpa é nossa, católicos. Nós que somos complacentes com tamanha incoerência. Por que não reclamamos? Por que não nos manifestamos contra a igreja e a favor dos médicos? Por que nos calamos? Do que temos medo?

A verdade é que nos acostumamos tanto com a igreja, como instituição hierárquica, que nos esquecemos do que Jesus, seu precussor, ensinou: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos; não julgar para não ser julgado; denunciar as injustiças e os chefes desse mundo…

Parece que o Vaticano esqueceu esses preceitos básicos, e o que é pior, nós católicos também.

Hoje a igreja excomunga quem tenta salvar uma criança, e depois? Mandará hereges para a fogueira?


Precisamos rever nossos conceitos como humanos e como católicos, do contrário, voltaremos à era da Inquisição.