sábado, 11 de julho de 2009

MAIS UM QUE NÃO VOLTOU PARA CASA

Morreu hoje à tarde o cabo da polícia militar do Rio de Janeiro alvejado por dois tiros durante tentativa de assalto.

O cabo do BOPE Ênio Roberto Santiago trabalhava na segurança do tenente-coronel Alberto Pinheiro Neto (comandante do Bope até ontem) e foi alvejado na manhã desse sábado (11-07-09) por dois disparos: um no ombro e outro na nuca.

Foi atingido enquanto tentava ajudar um casal que estava tendo o veículo roubado enquanto esperavam no sinal fechado. Os disparos foram feitos por alguém que dava cobertura à ação. O militar foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar mas não resistiu aos ferimentos e faleceu horas depois.

A polícia enviou várias viaturas para o local e os caveirões, veículos blindados do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais), subiram o morro. Essa é mais um cena comum de violência na nossa sociedade, violência essa que não poupa ninguém - nem a polícia.

O que me deixa revoltado é que nenhuma ONG ou qualquer outra droga de instituição que defenda a porra dos direitos humanos se pronunciou em protesto à morte do PM morto em serviço.
Fazendo jus ao juramento feito quando da investidura do cargo, o cabo Santiago defendeu com a própria vida a sociedade hipócrita que ele prometeu proteger.

O engraçado é que a mesma imprensa que não se deu nem ao trabalho de divulgar relatos dos familiares do PM morto, fez questão de mostrar os protestos dos moradores da favela ocupada por policiais. Os moradores, sim, tiveram todo o direito de botar a cara na TV e reclamar contra os policiais que invadiram a comunidade. Até incendiaram um ônibus em protesto contra a morte de um traficante durante a operação envolvendo policiais do 6.º Batalhão (Tijuca) e do BOPE. Esses continuam vasculhando o Morro do Turano e o Morro da Chacrinha, ambos no Rio de Janeiro, tentando localizar os assassinos do cabo PM. Mas sabemos que quando os acusados forem capturados - se forem - terão direito a um julgamento cuja pena não poderá exceder aos 30 anos de reclusão. E se tiverem bom comportamento ou se forem réus primários, em pouco tempo estarão nas ruas, matando outros pais de família.
E a imprensa, ah a imprensa... Continua divulgando que na troca de tiros com bandidos, a polícia alvejou moradores. Engraçado, só as armas da polícia acertam gente inocente. As armas dos traficantes não acertam ninguém, eles atiram flores, talvez.
Já o cabo Santiago está morto. Foi mais um policial que tombou na eterna luta contra o crime nas cidades brasileiras. Ele não voltou para casa. Sua família vai sofrer com sua ausência. Perdeu-se um pai, um marido, um filho, um irmão, um amigo, um agente de segurança pública.
Mas esse caso, como tantos outros, cairá no esquecimento. Não haverá passeatas ou manifestações de ONGs ou outra entidade que se diga defensora dos direitos huamanos. Ah, quase esqueci, POLICIAIS NÃO TÊM DIREITOS...

A foto que ilustra esse texto é de um homem ferido em operação do BOPE no Morro do Turano. Foi tirada do site ÚLTIMO SEGUNDO.

PM DE SERGIPE CONSEGUE AUMENTO - E QUE AUMENTO!

PM’s de Sergipe usam a lei para pressionar Governo por melhores salários

Os Policiais Militares de Sergipe, depois da mobilização denominada “Tolerância Zero” realizada já há alguns dias, conseguiram um ganho salarial que os colocam entre os mais bem pagos (nas suas respectivas categorias) da Região Nordeste. Os salários de todos os postos e graduações da Polícia Militar de Sergipe ficarão assim:

Coronel – R$ 9.539,71 (soldo) mais R$ 2861,91 (periculosidiade): R$ 12.401,62 Ten. Coronel – R$ 8.295,40 (soldo) mais R$ 2488,62 (periculosidade): R$ 10.784,02
Major – R$ 7.604,12 (soldo) mais R$ 2281,23 (periculosidade): R$ 9.885,35

Capitão – R$ 6.615,15 (soldo) mais R$ 1984,55 (periculosidade): R$ 8.599,70
1º Tenente – R$ 5.512,63 (soldo) mais R$ 1653,78 (periculosidade): R$ 7.166,41
2º Tenente – R$ 4.410,10 (soldo) mais R$ 1323,03 (periculosidade): R$ 5.733,13
Aspirante – R$ 4.240,48 (soldo) mais R$ 1272,15 (periculosidade): R$ 5.512,63

Subtenente – R$ 3.687,37 (soldo) mais R$ 1106,22 (periculosidade): R$ 4.793,59
1º Sargento – R$ 3.511,79 (soldo) mais R$ 1054,53 (periculosidade): R$ 4.566,32
2º Sargento – R$ 3.080,51 (soldo) mais R$ 924,16 (periculosidade): R$ 4.004,67
3º Sargento – R$ 2.702,21 (soldo) mais R$ 810,66 (periculosidade): R$ 3.512,87
Cabo – R$ 2.456,55 (soldo) mais R$ 736,97 (periculosidade): R$ 3.193,52

Soldado 1ª Classe - R$ 2.317,50 (soldo) mais R$ 695,25 (periculosidade): R$ 3.012,75
Soldado engajado – R$ 2.250,00 (soldo) mais R$ 675,00(periculosidade): R$ 2.925,00
Soldado não engajado – R$ 1.875,00 (soldo) mais R$ 562,50(periculosidade): R$2.437,50

O curioso da mobilização é que os policiais não fizeram uma greve nos padrões como conhecemos. Eles simplesmente resolveram seguir a lei à risca e não continuaram trabalhando de forma errada: policiais não habilitados ou que estavam com a Carteira nacional de Habilitação (CNH) vencida, se recusaram a dirigir as viaturas; os militares que não possuíam armas da Corporação nem coletes balísticos dentro da validade também se recusaram ir às ruas trabalhar nessas condições; e os policiais militares que estavam trabalhando em delegacias e presídios deixaram de fazê-lo, pela flagrante ilegalidade que há através do desvio da função.
Os policiais sergipanos, apesar dos ganhos, elegeram como reivindicações básicas e inegociáveis: equiparação de Salário com a Polícia Civil; definição da Carga Horária dos policiais e; implantação da exigência de Nível Superior para as praças.
Os colegas sergipanos, antes de tudo, estão de parabéns pela forma como conduziram as negociações. O Governo e a sociedade sempre exigem dos policiais militares um serviço de qualidade, entretanto, não reconhecem as más condições de trabalho a que somos submetidos.
Espero que o belo exemplo dos PM’s de Sergipe seja seguido por outros praças por esse Brasil a fora. E que nossos governantes imitem o governador Marcelo Déda (PT) e olhem com mais atenção àqueles que arriscam a própria vida para levar um mínimo de segurança para a sociedade.