terça-feira, 29 de dezembro de 2009

CUIDADO COM O TARADO DA FEIRA...



(A imagem acima é de autoria desconhecida. Se você é o autor ou conhece quem seja, entre em contato para receber os créditos.)

domingo, 27 de dezembro de 2009

Respeito para com os pais


“Deus quer que o pai seja honrado pelos filhos, e confirma a autoridade da mãe sobre os filhos. Quem honra o próprio pai alcança o perdão dos pecados, e quem respeita sua mãe é como quem ajunta um tesouro. Quem honra seu pai será respeitado pelos seus próprios filhos, e quando rezar será atendido. Quem honra seu pai terá vida longa, e quem obedece a Deus dará alegria à sua mãe. (…) Meu filho, cuide de seu pai na velhice, e não o abandone enquanto ele viver. Mesmo que ele fique caduco, seja compreensivo e não o despreze, (..) pois a caridade feita ao pai não será esquecida, e valerá como reparação pelos pecados que você tiver cometido”.

Livro do Eclesiástico, capítulo 3, versículos 2-6.12-13a.14. Texto retirado da Bíblia Sagrada - edição pastoral.

(A foto que ilustra esse texto foi retirado do link Canção Nova.)

sábado, 19 de dezembro de 2009

CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA (II)

Trecho da carta escrita por Pero Vaz de Caminha (1450 - 1500), integrante da frota de Pedro Álvares Cabral (1467-68 - 1520), encaminhada ao rei de Portugal D. Manuel I, O Venturoso (1469 - 1521), dando conta do 'achamento' de novas terras.

Pero Vaz de Caminha – Wikipédia, a enciclopédia livre
Pero Vaz de Caminha lê a carta que será enviada ao rei de Portugal D. Manuel I. O comandante da frota Pedro Álvares Cabral, o Frei Henrique de Coimbra (sentados) e o mestre João o escutam atenciosamente. 

Dali avistamos homens que andavam pela praia, obra de sete ou oito, segundo disseram os navios pequenos, por chegarem primeiro.

Então lançamos fora os batéis e esquifes, e vieram logo todos os capitães das naus a esta nau do Capitão-mor, onde falaram entre si.

E o Capitão-mor mandou em terra no batel a Nicolau Coelho para ver aquele rio. E tanto que ele começou de ir para lá, acudiram pela praia homens, quando aos dois, quando aos três, de maneira que, ao chegar o batel à boca do rio, já ali havia dezoito ou vinte homens.

Eram pardos, todos nus, sem coisa nenhuma que lhes cobrisse suas vergonhas. Nas mãos traziam arcos com suas setas. Vinham todos rijos sobre o batel; e Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E eles os pousaram.

Ali não pôde deles haver fala, nem entendimento de proveito, por o mar quebrar na costa. Somente deu-lhes um barrete vermelho e uma carapuça de linho que levava na cabeça e um sombreiro preto. Um deles deu-lhe um sombreiro de penas de ave, compridas, com uma copazinha de penas vermelhas e pardas como de papagaio; e outro deu-lhe um ramal grande de continhas brancas, miúdas, que querem parecer de aljaveira, as quais peças creio que o Capitão manda a Vossa Alteza, e com isto se volveu às naus por ser tarde e não poder haver deles mais fala, por causa do mar.

Na noite seguinte, ventou tanto sueste com chuvaceiros que fez caçar as naus, e especialmente a capitânia. E sexta pela manhã, à oito horas, pouco mais ou menos, por conselho dos pilotos, mandou o Capitão levantar âncoras e fazer vela; e fomos ao longo da costa, com os batéis e esquifes amarrados à popa na direção do norte, para ver se achávamos alguma abrigada e bom pouso, onde nos demorássemos, para tomar água e lenha. Não que nos minguasse, mas por aqui nos acertamos.

Quando fizemos vela, estariam já na praia assentados perto do rio obra de sessenta ou setenta homens que haviam juntado ali poucos e poucos. Fomos de longo, e mandou o Capitão aos navios pequenos que seguissem mais chegados à terra e, se achassem pouso seguro para as naus, que amainassem.

E, velejando nós pela costa, obra de dez léguas do sítio donde tínhamos levantado ferro, acharam os ditos navios pequenos um recife com um porto dentro, muito bom e seguro, com uma mui larga entrada. E meteram-se dentro e amainaram. As naus arribaram sobre eles; e um pouco antes do Sol posto amainaram também, obra de uma légua do recife, e ancoraram em onze braças.       



(A foto que ilustra esse texto foi copiada do link Google Images.)

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

OUTRO QUE NÃO VOLTARÁ PARA CASA


Cabo da PM-PA morre em conflito com bandido

Morreu, em decorrência de um tiro no rosto, cabo Moisés, integrante da polícia militar do estado do Pará. O cabo, pertencente à Ronda Tática Metropolitana (Rotam), foi baleado por volta das 15h de hoje. Ele, juntamente com outros militares, tentava negociar com um bandido armado a liberação de uma refém.

Acuado, o marginal usou a refém como escudo humano e disparou contra a PM. Também se feriram no episódio o cabo Resende (tiro na perna) e o sargento Elison (tiro de raspão). A PM salvou a refém - que ainda levou um tiro de raspão no rosto disparado pelo assaltante - e matou o criminoso.

Mais um triste episódio de violência nas nossas cidades. Mais um policial morto. O interessante, é que li os comentários sobre essa tragédia na internet e ainda teve gente que criticou a atuação da PM do Pará em matar o bandido. É lastimável ver que pessoas dizendo-se defensoras dos direitos humanos venham defender alguém que atenta contra a vida de outros seres humanos. A respeito do cabo que morreu, nenhum elogio, nenhuma gratidão, nada!

O cabo Moisés era chefe de família. Tinha esposa, filhos, gente que dependia dele. E agora? Será que os falsos moralistas, defensores de bandido, vão cuidar da família dele?

Quem vai avisar para os filhos do cabo Moisés que o pai deles não vai participar da ceia de Natal?

Fico revoltado quando ONGs e entidades que se dizem defensoras dos direitos humanos fazem passeatas e manifestações pedindo justiça para criminosos que atentam contra a liberdade e a paz da nossa sociedade. Se um bandido atira na polícia, e essa revida, é truculência. Se um policial morre em serviço, está apenas cumprindo com seu dever…

Cabo Moisés foi mais um que tombou em serviço. Mais um que levou às últimas circunstâncias o juramento de defender a sociedade, mesmo com o sacrifício da própria vida. Mas, que ironia, é essa mesma sociedade a primeira a criticar os policiais.


(A imagem que ilustra esse texto foi copiada do link Stive.com.)

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

“A polícia, quando está perto incomoda. Se está longe, faz falta…”



Autor desconhecido.

Apesar das denúncias de corrupção, truculência, violação aos direitos humanos e corporativismo, as forças de segurança pública ainda representam a tênue linha que separa a sociedade organizada da barbárie.

Eu, que já fui policial militar, sei mais do que ninguém da podridão que contamina nossas forças policiais. Mas também sei que ainda existem agentes honestos, sonhadores, talvez, que acreditam na sua nobre missão de prover proteção à sociedade, mesmo trabalhando sem equipamentos apropriados e com viaturas sucateadas...   


(A imagem acima foi copiada do link Jornal Imparcial.)

CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA (VII)

Trecho da carta escrita por Pero Vaz de Caminha (1450 - 1500), integrante da frota de Pedro Álvares Cabral (1467-68 - 1520), encaminhada ao rei de Portugal D. Manuel I, O Venturoso (1469 - 1521), dando conta do 'achamento' de novas terras.

Há 519 anos o Brasil era descoberto... Saiba mais!

Então tornou-se o Capitão aquém do rio, e logo acudiram muitos à beira dele.

Ali veríeis galantes, pintados de preto e vermelho, e quartejados, assim nos corpos, como nas pernas, que, certo, pareciam bem assim.

Também andavam, entre eles, quatro ou cinco mulheres moças, nuas como eles, que não pareciam mal. Entre elas andava uma com uma coxa, do joelho até o quadril, e a nádega, toda tinta daquela tintura preta; e o resto, tudo da sua própria cor. Outra trazia ambos os joelhos, com as curvas assim tintas, e também os colos dos pés; e suas vergonhas tão nuas e com tanta inocência descobertas, que nisso não havia nenhuma vergonha.

Também andava aí outra mulher moça com um menino ou menina de colo, atado com um pano (não sei de quê) aos peitos, de modo que apenas as perninhas lhe apareciam. Mas as pernas da mãe e o resto não traziam pano algum. 

Depois andou o capitão para cima ao longo do rio, que corre sempre chegado à praia. Ali esperou um velho, que trazia na mão uma pá de almadia. Falava, enquanto o Capitão esteve com ele, perante nós todos, sem nunca ninguém o entender, nem ele a nós quantas coisas que lhe demandávamos acerca de ouro, que nós desejávamos saber se na terra havia.

Trazia este velho o beiço tão furado, que lhe caberia pelo furo um grande dedo polegar, e metida nele uma pedra verde, ruim, que cerrava por fora esse buraco. O Capitão lhe fez tirar. E ele não sei que diabo falava e ia com ela direito ao Capitão, para lhe meter na boca. Estivemos sobre isso rindo um pouco; e então enfadou-se o Capitão e deixou-o. E um dos nossos deu-lhe pela pedra um sombreiro velho, não por ela valer alguma coisa, mas por amostra. Depois houve-a o Capitão, segundo creio, para, com as outras coisas, a mandar a Vossa Alteza.

Andamos por aí vendo a ribeira, a qual é de muita água e muito boa. Ao longo dela há muitas palmas, não muito altas, em que há muito bons palmitos. Colhemos e comemos deles muitos.

Então tornou-se o Capitão para baixo para a boca do rio, onde havíamos desembarcado. 

Além do rio, andavam muitos deles dançando e folgando, uns diante dos outros, sem se tomarem pelas mãos. E faziam-no bem. Passou-se então além do rio Diogo Dias, almoxarife que foi de Sacavém, que é homem gracioso e de prazer; e levou consigo um gaiteiro nosso com sua gaita. E meteu-se com eles a dançar, tomando-os pelas mãos; e eles folgavam e riam, e andavam com ele muito bem ao som da gaita. Depois de dançarem, fez-lhes ali, andando no chão, muitas voltas ligeiras, e salto real, de que eles se espantavam e riam e folgavam muito. E conquanto com aquilo muito os segurou e afagou, tomavam logo uma esquiveza como de animais monteses, e foram-se para cima.

E então o Capitão passou o rio com todos nós outros, e fomos pela praia ao longo, indo os batéis, assim, rente da terra. Fomos até uma lagoa grande de água doce, que está junto com a praia, porque toda aquela ribeira do mar é apaulada por cima e sai a água por muitos lugares. 

E depois de passarmos o rio, foram uns sete ou oito deles andar entre os marinheiros que se recolhiam os batéis. E levaram dali um tubarão, que Bartolomeu Dias matou, lhes levou e lançou na praia.

Bastará dizer-vos que até aqui, como quer que eles um pouco se amansassem, logo duma mão para outra se esquivavam, como pardais, do cevadoiro. Homem não lhes ousa falar de rijo para não se esquivarem mais; e tudo se passa como eles querem, para os bem amansar. 
     

Fonte: Acervo Digital.

(A imagem acima foi copiada do link Google Images.)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

“Para o triunfo do mal, basta que os bons não façam nada”.


Edmund Burke (1729 - 1797): filósofo, advogado e político anglo-irlandês. Integrante da "Câmara dos Comuns", denunciou as injustiças e brutalidades praticadas durante a "Revolução Francesa".


(A imagem acima foi copiada do link pt.wikipedia.)

QUANDO FOR FAZER O EXAME DE PRÓSTATA, É MELHOR IR NUMA CLÍNICA PARTICULAR...




(A ilustração acima é de autoria desconhecida. Se você for o autor ou conhecer quem seja, entre em contato para receber os créditos.)

O MÉDICO JOÃOZINHO
















A menina chega para a mãe dela feliz da vida e diz:


- Mãe, eu estava brincando de médico com o Joãozinho.


Conhecendo a fama do moleque, a mãe comenta desesperada:


- Brincando de médico com o Joãozinho! Ó minha filha, e o que ele fez?


- Nada, mãe. Ele era médico do SUS.



(A imagem que ilustra este texto foi copiada do link Fala Médico.)

domingo, 13 de dezembro de 2009

BODE EXPIATÓRIO

PM - DF tenta controlar manifestação e sai como vilã da história...



Foi destaque na imprensa nacional as cenas de policiais militares do Distrito Federal agredindo estudantes que faziam manifestação pacífica pelas ruas de Brasília contra os casos de corrupção envolvendo o governo de José Roberto Arruda. O episódio aconteceu quarta-feira passada (09-12-09).

Dezenas - talvez centenas - de repórteres e “especialistas” fizeram questão de criticar a ação dos policiais e defender a atitude dos estudantes. Nada de novo em eventos desse tipo…

Mas, quem são os vilões dessa história toda? Os estudantes, que estavam exercendo seu direito de protestar contra a roubalheira escancarada que acontece no DF? A imprensa, que estava cumprindo seu papel de mostrar os fatos como e onde eles acontecem? Ou dos policiais, que estavam de serviço e cumprindo ordens superiores?

Para os leigos no assunto, as cenas são explícitas: a polícia, esse órgão truculento que o Estado utiliza para controlar a sociedade, agrediu pobres estudantes indefesos…

Mas eu gostaria de fazer o seguinte levantamento: imagens podem ser manipuladas…

A quem interessaria jogar a culpa na polícia para que o verdadeiro motivo dos protestos, a corrupção do governo Arruda, fosse posto em segundo plano?

Sou suspeito de falar, até porque sou policial militar, mas para os menos entendidos no assunto, o comandante supremo das polícias militares nos estados, são os governadores desses respectivos estados. No caso de Brasília, o próprio governador está atolado até o pescoço em denúncias, fundamentadas, de corrupção. Teria sido ele quem arquitetou aquela operação? Não sei. Só sei que os policiais - digo isso com a experiência de ser PM - ou cumprem ordens ou são, ou presos ou expulsos.

Os policiais cometeram excessos, sim. Mas não com todo esse estardalhaço que está sendo divulgado. Foi noticiado que um coronel agrediu um estudante… Mas as imagens mostram, claramente, que esse coronel agiu em legítima defesa. Bem como diversas outras cenas que foram editadas para mostrarem apenas a polícia "descendo o cassete".

Ora, policial nenhum acorda de manhã, olha para o sol e diz: ‘nossa, que belo dia para bater em estudantes’. O papel da polícia é servir e proteger a sociedade, combatendo a criminalidade, mas também através de ações sócio-educativas.

Alguém jogou a polícia contra a população, deixando aquela como vilã da história. A PM, mais uma vez, é bode expiatório. Bode expiatório para uma imprensa que se acha democrática, mas parece ainda querer inculcar na cabeça dos imbecis que acreditam em tudo o que passa na TV, a ideia de que ainda vivemos numa ditadura. Gente, a ditadura acabou. Vivemos num país democrático e de imprensa livre - embora, algumas vezes tendenciosa.

Como PM, fico revoltado ao constatar que a polícia foi usada como ferramenta política. Como futuro jornalista, fico triste ao saber que meus colegas repórteres não noticiaram a versão, na íntegra, dos policiais que participaram da operação. E como cidadão, puta que pariu! Estão esquecendo que o governador José Arruda é o bandido dessa história, e não a corporação.

Acho que, do jeito que as coisas vão, daqui a pouco vão dizer que os responsáveis pelos escândalos de corrupção no governo de Brasília são os policiais militares do DF. Uma pena…

(A imagem que ilustra esse texto foi copiada do link PM - DF.)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA (VI)


Trecho da carta escrita por Pero Vaz de Caminha (1450 - 1500), integrante da frota de Pedro Álvares Cabral (1467-68 - 1520), encaminhada ao rei de Portugal D. Manuel I, O Venturoso (1469 - 1521), dando conta do 'achamento' de novas terras.

Descobrimento do Brasil - História, resumo e data

Neste ilhéu, onde fomos ouvir missa e pregação, a água espraia muito, deixando muita areia e muito cascalho a descoberto. Enquanto aí estávamos, forma alguns buscar marisco e apenas acharam alguns camarões grossos e curtos, entre os quais vinha um tão grande e tão grosso, como em nenhum tempo vi tamanho. Também acharam cascas de berbigões e amêijoas, mas não toparam com nenhuma peça inteira.

E tanto que comemos, vieram logo todos os capitães a esta nau, por ordem do Capitão-mor, com os quais ele se apartou, e eu na companhia. E perguntou a todos se nos parecia bem mandar a nova do achamento desta terra a Vossa Alteza pelo navio dos mantimentos, para a melhor a mandar descobrir e saber dela mais do que nós agora podíamos saber, por irmos de nossa viagem.

E entre muitas falas que no caso se fizeram, foi por todos ou a maior parte dito que seria muito bem. E nisto concluíram. E tanto que a conclusão foi tomada, perguntou mais se lhes parecia bem tomar aqui por força um par destes homens para os mandar a Vossa Alteza, deixando aqui por eles outros dois destes degredados.

Sobre isto acordaram que não era necessário tomar por força homens, porque era geral costume dos que assim levavam por força para alguma parte dizerem que há ali de tudo quanto lhes perguntam; e que melhor e muito melhor informação da terra dariam dois homens destes degredados que aqui deixassem, do que eles dariam se os levassem, por ser gente que ninguém entende. Nem eles tão cedo aprenderiam a falar para o saberem tão bem dizer que muito melhor estoutros o não digam, quando Vossa Alteza cá mandar.

E que, portanto, não cuidassem de aqui tomar ninguém por força nem de fazer escândalo, para de todo mais os amansar e pacificar, senão somente deixar aqui os dois degredados, quando daqui partíssemos. 

E assim, por melhor a todos parecer, ficou determinado.

Acabado isto, disse o Capitão que fôssemos nos batéis em terra e ver-se-ia bem como era o rio, e também para folgarmos.

Fomos todos nos batéis em terra, armados e a bandeira conosco. Eles andavam ali na praia, à boca do rio, para onde nós íamos; e, antes que chegássemos, pelo ensino que dantes tinham, puseram todos os arcos, e acenavam que saíssemos. Mas, tanto que os batéis puseram as proas em terra, passaram-se logo todos além do rio, o qual não é mais largo que um jogo de mancal. E mal desembarcamos, alguns dos nossos passaram logo o rio, e meteram-se entre eles. Alguns aguardavam; outros afastavam-se. Era, porém, a coisa de maneira que todos andavam misturados. Eles ofereciam desses arcos com suas setas por sombreiros e carapuças de linho ou por qualquer coisa que lhes davam. 

Passaram além tantos dos nossos, e andavam assim misturados com eles, que eles esquivavam e afastavam-se. E deles alguns iam-se para cima onde outros estavam.

Então o Capitão fez que dois homens o tomassem ao colo, passou o rio, e fez tornar a todos. A gente que ali estava não seria mais que a costumada. E tanto que o Capitão fez tornar a todos, vieram a ele alguns daqueles, não porque o conhecessem por Senhor, pois me parece que não entendem, nem tomavam disso conhecimento, mas porque a gente nossa passava já para aquém do rio.

Ali falavam e traziam muitos arcos e continhas daquelas já ditas, e resgatavam-nas por qualquer coisa, em tal maneira que os nossos trouxeram dali para as naus muitos arcos e setas e contas. 
   
  
Fonte: Acervo Digital.
(A imagem que ilustra o texto foi copiada do link Images Google.)

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

PRIMEIRO O CHEFE

Dois funcionários e o gerente de uma empresa saem para almoçar e na rua encontram uma antiga lâmpada a óleo. Eles esfregam a lâmpada e, de dentro dela, sai um gênio. O gênio, envolto em fumaça e com uma voz grave, diz:

- Vocês me libertaram de um sono de dois mil e quinhentos anos. Como recompensa, concederei três desejos. Mas como vocês estão em três, realizarei um desejo para cada. Peçam o que quiserem e eu darei a vocês!!!

- Eu primeiro, eu primeiro! - grita um dos funcionários - Eu quero estar nas Bahamas dirigindo um barco, sem ter nenhuma preocupação na vida, e cercado de lindas mulheres... Pufff, e ele foi.

O outro funcionário se apressa a fazer o seu pedido:

- Eu quero estar no Havaí, com o amor da minha vida e um provimento interminável de cerveja e churrasco!!! Puff, e lá se foi ele.

- Agora você - diz o gênio para o gerente...

- Eu quero aqueles dois de volta ao escritório logo depois do almoço para uma reunião!

Conclusão:
*Deixe sempre o seu chefe falar primeiro*.


Autor desconhecido, com adaptações.


(A imagem ilustrativa foi copiada do link Images Google.)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009








“O sol, a lua e as estrelas, brilhando, cumprem espontaneamente a missão de ser úteis. O relâmpago, quando aparece, é bem visível. O próprio vento sopra em qualquer região. As nuvens obedecem, quando Deus as manda percorrer o mundo inteiro. O raio, mandado lá de cima para devastar montes e matas, cumpre o que lhe é determinado.”  

Bíblia Sagrada - edição pastoral. Antigo Testamento, Livro de Baruc, capítulo 6, versículos 59 a 61.












(A imagem que ilustra esse texto foi copiada do link Curiozo.)




CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA (V)

Trecho da carta escrita por Pero Vaz de Caminha (1450 - 1500), integrante da frota de Pedro Álvares Cabral (1467-68 - 1520), encaminhada ao rei de Portugal D. Manuel I, O Venturoso (1469 - 1521), dando conta do 'achamento' de novas terras.


Jornal Extra SC História da Primeira Missa no Brasil
Primeira Missa no Brasil: celebrada por frei Henrique de Coimbra.
À tarde saiu o Capitão-mor em seu batel com todos nós outros e com os outros capitães das naus em seus batéis a folgar pela baía, em frente da praia. Mas ninguém saiu em terra, porque o Capitão o não quis, sem embargo de ninguém nela estar. Somente saiu - ele com todos nós - em um ilhéu grande, que na baía está e que na baixa-mar fica mui vazio. Porém é por toda a parte cercado de água, de sorte que ninguém lá pode ir, a não ser de barco ou a nado. Ali folgou ele e todos nós outros, bem uma hora e meia. E alguns marinheiros, que ali andavam com um chinchorro, pescaram peixe miúdo, não muito. Então volvemo-nos às naus, já bem de noite.

Ao domingo de Pascoela pela manhã, determinou o Capitão de ir ouvir missa e pregação naquele ilhéu. Mandou a todos os capitães que se apresentassem nos batéis e fossem com ele. E assim foi feito. Mandou naquele ilhéu armar um esperavel, e dentro dele um altar mui bem corregido. E ali com todos nós outros fez dizer missa, a qual foi dita pelo padre frei Henrique, em voz entoada, e oficiada com aquela mesma voz pelos outros padres e sacerdotes, que todos eram ali. A qual missa, segundo meu parecer, foi ouvida por todos com muito prazer e devoção.

Ali era com o Capitão a bandeira de Cristo, com que saiu de Belém, a qual esteve sempre levantada, da parte do Evangelho.

Acabada a missa, desvestiu-se o padre e subiu a uma cadeira alta; e nós todos lançados por essa areia. E pregou uma solene e proveitosa pregação da história do Evangelho, ao fim da qual tratou da nossa vida e do achamento desta terra, conformando-se com o sinal da Cruz, sob cuja obediência viemos, o que foi muito a propósito e fez muita devoção.

Enquanto estivemos à missa e à pregação, seria na praia outra tanta gente, pouco mais ou menos como a de ontem, com seus arcos e setas, a qual andava folgando. E olhando-nos, sentaram-se. E, depois de acabada a missa, assentados nós à pregação, levantaram-se muitos deles, tangeram corno ou buzina, e começaram a saltar e dançar um pedaço. E alguns deles se metiam em almadias - duas ou três que aí tinham - as quais não são feitas como as que eu já vi; somente são três traves, atadas entre si. E ali se metiam quatro ou cinco, ou esses que queriam não se afastando quase nada da terra, senão enquanto podiam tomar pé.  

Acabada a pregação, voltou o Capitão, com todos nós, para os batéis, com nossa bandeira alta. Embarcamos e fomos todos em direção à terra para passarmos ao longo por onde eles estavam, indo, na dianteira, por ordem do Capitão, Bartolomeu Dias em seu esquife, com um pau de uma almadia que lhes o mar levara, para lho dar; e nós todos, obra de tiro de pedra, atrás dele.

Como viram o esquife de Bartolomeu Dias, chegaram-se logo todos à água, metendo-se nela até onde mais podiam. Acenaram-lhes que pousassem os arcos; e muitos deles os iam logo pôr em terra; e outros não.

Andava aí um que falava muito aos outros que se afastassem, mas não que a mim me parecesse que lhe tinham acatamento ou medo. Este que os assim andava afastando trazia seu arco seu arco e setas, e andava tinto de tintura vermelha pelos peitos, espáduas, quadris, coxas e pernas até baixo, mas os vazios com a barriga e estômago eram de sua própria cor. E a tintura era assim vermelha que a água a não comia nem desfazia, antes, quando saía da água, parecia mais vermelha.

Saiu um homem do esquife de Bartolomeu Dias e andava entre eles, sem implicarem nada com ele para fazer-lhe mal. Antes lhe davam cabaças de água, e acenavam aos do esquife que saíssem em terra.

Com isto se volveu Bartolomeu Dias ao Capitão; e viemo-nos às naus, a comer, tangendo gaitas e trombetas, sem lhes dar mais opressão. E eles tornaram-se a assentar na praia e assim por então ficaram.   

Fonte: Acervo Digital.
(A imagem acima foi copiada do link Images Google.)

CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA (IV)

Trecho da carta escrita por Pero Vaz de Caminha (1450 - 1500), integrante da frota de Pedro Álvares Cabral (1467-68 - 1520), encaminhada ao rei de Portugal D. Manuel I, O Venturoso (1469 - 1521), dando conta do 'achamento' de novas terras.

Descobrimento do Brasil, a história por trás do dia 22 de abril de ...

Ao sábado pela manhã mandou o Capitão fazer vela, e fomos demandar a entrada, a qual era mui larga e alta de seis a sete braças. Entraram todas as naus dentro; e ancoraram em cinco ou seis braças - ancoragem dentro tão grande, tão formosa e tão segura, que podem abrigar-se nela mais de duzentos navios e naus. E tanto que as naus quedaram ancoradas, todos os capitães vieram a esta nau do Capitão-mor. E daqui mandou o Capitão a Nicolau Coelho e Bartolomeu Dias que fossem em terra e levassem aqueles dois homens e os deixassem ir com seu arco e setas, e isto depois que fez dar a cada um uma camisa nova, sua carapuça vermelha e um rosário de contas brancas de osso, que eles levaram nos braços, seus cascavéis e suas campainhas. E mandou com eles, para lá ficar, um mancebo degredado, criado de D. João Telo, a quem chamam Afonso Ribeiro, para lá andar com eles e saber de seu viver e maneiras. E a mim mandou que fosse com Nicolau Coelho. 

Fomos assim de frecha direitos à praia. Ali acudiram logo obra de duzentos homens, todos nus, e com arcos e setas nas mãos. Aqueles que nós levávamos acenaram-lhes que se afastassem e pousassem os arcos; e eles os pousaram, mas não se afastaram muito. E mal pousaram os arcos, logo saíram os que nós levávamos, e o mancebo degredado com eles. E saídos não pararam mais; nem esperavam um pelo outro, mas antes corriam a quem mais corria. E passaram um rio que por ali corre, de água doce, de muita água que lhes dava pela braga; e outros muitos com eles. E foram assim correndo, além do rio, entre umas moitas de palmas onde estavam outros. Ali pararam. Entretanto foi-se o degredado com um homem que, logo ao sair do batel, o agasalhou e o levou até lá. Mas logo tornaram a nós; e com eles vieram os outros que nós levávamos, os quais vinham já nus e sem carapuças.

Então se começaram de chegar muitos. Entravam pela beira do mar para os batéis, até que mais não podiam; traziam cabaços de água, e tomavam alguns barris que nós levávamos: enchiam-nos de água e traziam-nos aos batéis. Não que eles de todos chegassem à borda do batel. Mas junto a ele, lançavam os barris que nós tomávamos; e pediam que lhes dessem alguma coisa. Levava Nicolau Coelho cascavéis e manilhas. E a uns dava um cascavel, a outros uma manilha, de maneira que com aquele engodo quase nos queriam dar a mão. Davam-nos daqueles arcos e setas por sombreiros e carapuças de linho ou por qualquer coisa que homem lhes queria dar.

Dali se partiram os outros dois mancebos, que os não vimos mais.

Muitos deles ou quase a maior parte dos que andavam ali traziam aqueles bicos de osso nos beiços. E alguns, que andavam sem eles, tinham os beiços furados e nos buracos uns espelhos de pau, que pareciam espelhos de borracha; outros traziam três daqueles bicos, a saber, um no meio e os dois nos cabos. Aí andavam outros, quartejados de cores, a saber, metade deles da sua própria cor, e metade de tintura preta, a modos de azulada; e outros quartejados de escaques. Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem moças e bem gentis, com cabelos muito pretos, compridos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas, tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha. 

Ali por então não houve mais fala ou entendimento com eles, por a barbaria deles ser tamanha, que se não entendia nem ouvia ninguém.

Acenamos-lhes que se fossem; assim o fizeram e passaram-se além do rio. Saíram três ou quatro homens nossos dos batéis, e encheram não sei quantos barris de águas que nós levávamos e tornamo-nos às naus. Mas quando assim vínhamos, acenaram-nos que tornássemos. Tornamos e eles mandaram o degredado e não quiseram que ficasse lá com eles. Este levava uma bacia pequena e duas ou três carapuças vermelhas para lá as dar ao senhor, se o lá houvesse. Não cuidaram de lhe tomar nada, antes o mandaram com tudo. Mas então Bartolomeu Dias o fez outra vez tomar, ordenando que lhes desse aquilo. E ele tornou e o deu, à vista de nós, àquele que da primeira vez agasalhara. Logo voltou e nós trouxemo-lo.

Esse que o agasalhou já era de idade, e andava por louçainha todo cheio de penas, pegadas pelo corpo, que parecia asseteado como S. Sebastião. Outros traziam carapuças de penas amarelas; outros, de vermelhas; e outros de verdes. E uma daquelas moças era toda tingida, de baixo a cima daquela tintura; e certo era tão bem-feita e tão redonda, e sua vergonha (que ela não tinha) tão graciosa, que a muitas mulheres da nossa terra, vendo-lhe tais feições, fizera vergonha, por não terem a sua como ela. Nenhum deles era fanado, mas, todos assim como nós. E com isto nos tornamos e eles foram-se. 

    

(A imagem acima foi copiada do link Images Google.)