terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

PLANTÃO AGITADO (II)

Lembranças de quando eu era PM...


Depois da meia-noite, quando eu pensei em tirar um cochilo, apareceu um doido querendo "quebrar tudo". Convidei-o, insistentemente, a se retirar. Ele só saiu depois de levar uns tapas. Depois veio um bêbado querendo fazer bagunça. Fiz o mesmo.    

Uma e quinze da manhã, um rapaz que caiu da moto vem para ser atendido. Entra no consultório, dá um sorriso para o enfermeiro, que retribui a educação.

- Você aqui de novo,  pergunta o enfermeiro.

Antes que o jovem responda, eu indago se ele conhece o enfermeiro. 

- Sim, é a quarta vez que caio de moto e sempre que venho aqui sou atendido por ele - responde o motociclista.

Duas da madrugada chegam duas irmãs bêbadas. Uma chora muito, a outra está mais calma. Explicam que estavam bebendo com amigos. Tudo estava indo bem, então precisaram ir ao banheiro e veio "um cachorro dos infernos, mandado pelo Satanás" mordeu o pé de uma delas e acabou com a noite.

Depois de contar essa aventura, a irmã que estava calma se altera e discute com o mototaxista que havia levado elas ao pronto-socorro. Diz que ele estava cobrando muito caro e pede para eu - policial, um homem da lei - conversar com ele. Fui conversar, pedi para baixar o preço, mas ele contra-argumentou que já havia explicado para elas que faria duas viagens. Mas as irmãs insistiram em vir juntas. Então ele, sabidamente, cobrou um pouco mais porque é mais arriscado sofrer acidente, e dá mais trabalho trazer duas passageiras na garupa da moto. Sem contar que ainda podia ter sido multado... Além do mais, o preço que ele cobrou não foi nem o dobro. O certo era cada uma ter pago uma 'passagem'.

Faz sentido. Concordei com a lógica do mototaxista e fui conversar com as moças. Expliquei que ele era pai de família, um homem honesto e trabalhador e que precisava ganhar o pão de cada dia para alimentar seus filhos. A moça que estava brava ficou tão emocionada que quase chora. Pagou até mais do que tinha sido cobrado.

Pouco tempo depois chega outra moça mancando. Pergunto se foi um cachorro que a mordeu. Ela diz que não. Estava em casa dormindo - morava sozinha - e sentiu alguém alisando suas pernas. Pensou que fosse uma assombração. Deu um pulo, caiu da cama e torceu o pé...  

Depois disso, tento tirar um cochilo num compartimento que fica debaixo da caixa d'água do hospital. Pois é. Nem acesso a um alojamento eu tive direito. Tratavam os policiais como cachorro. Mas tudo bem. Até que o local era confortável. Quase não tinha 'muriçoca'. Eu já estava quase dormindo, quando um barulho ensurdecedor me desperta. 

Era o motor que puxava água para encher a caixa d'água. Fui até o enfermeiro, disse o que estava acontecendo e ele, calmamente. me disse para não me preocupar. A caixa d'água demoraria umas três ou quatro horas para encher, depois disso o barulho parava. 

Só que quando isso acontecesse, já teria amanhecido e meu plantão acabado... Ele então ofereceu sua cama, mas agradeci a gentileza e dormi esparramado numa cadeira da recepção, puto da vida, porque não tinha estudado, não tinha dormido nada, não tinha comido direito, e ainda, não tinha comido ninguém.

No dia seguinte, mandaram uma viatura me apanhar - na verdade, ela tinha ido buscar uma prostituta que o capitão sustentava. Quando cheguei na companhia, o sargento me disse que o praça que dava serviço no hospital ia ficar uns dias de atestado e se eu quisesse, poderia ficar no lugar dele. No hospital, todos haviam elogiado meus serviços.


(A imagem acima foi copiada do link Portal do Dog.)

Nenhum comentário: